domingo, 26 de janeiro de 2014

Nirá refogado com lula







NIRÁ REFOGADO COM LULA!!!!!

Pessoal,
Como a receita do Nirá com Camarão esta tendo muita consulta, resolvi colocar a versão do Nirá com Lula. Só que dessa vez estou sendo mais detalhista na receita, além disso coloquei  fotos para ilustrar melhor.

Para a receita, vamos precisar:
- Lula, pode ser em anéis ou inteira para corte
- Nirá
- Alho
- Tempero verde
- Azeite, Shoyo e Manteiga

A receita vai ser divida em etapas, na primeira vamos cozinhar a lula, depois vamos fazer a pasta para dourar a lula e por fim o Nirá.

1°) A lula:
Vamos pegar a lula e cortar em anéis com aproximadamente meio centímetro de espessura. Se a lula já for em anéis melhor ainda. Depois de descongelada colocar em uma panela de pressão e deixar cozinhar por 3 minutos após a agua ferver. Cuidado para não deixar a lula dura. No final tirar a lula da água quente e colocar na agua gelada para parar o cozimento. Reserve!!!


2º) Pasta para dourar a Lula:
Essa pasta serve para dourar varias coisas, ela serve como base para a cozinha, use a criatividade. Pegue um processador e coloque o alho, triture bem. Separe uma quantidade de aproximadamente 4 cabeças para dourar o nirá. Em seguida coloque um pouco de manteiga, azeite e tempero verde. Salsa, Salsinha e Cebolinha e bata até virar uma pasta.






Depois da pasta pronta coloque em uma frigideira quente e doure a lula até ganhar uma cor, lembre que ela já esta cozida e pode ficar dura se durar muito tempo no fogo. Não use ainda o sal, no final iremos acertar o ponto.




3) Nirá

Com o nirá já lavado, vamos cortar a parte amarela do fundo, esse pedaço descartamos e utilizamos todo o restante. Corte em pedaços de aproximadamente 4cm ou a gosto, só não corte muito pequeno.
Coloque o alho em uma frigideira quente com azeite e acrescente o nirá já cortado.




Deixe dourar, cuidado para não ficar mole, acrescente a lula e finalize com o molho Shoyo, cuidado que ele tem muito sal e pode deixar a comida salgada.


Pronto!!! Agora é servir...
Atenção: Essa receita pode ser alterada, as quantidades são similares as que estão nas fotos. Cuidado quando aumentar a quantidade para não perder a qualidade. O sal pode ser ajustado nesse momento e a quantidade de molho depende do gosto.









domingo, 11 de novembro de 2012

QUICHE DE QUEIJO BRIE E DAMASCO



Essa receita aprendi a fazer em um curso de culinária, sendo que mudei as quantidades dos ingredientes  e o tempo de preparo, o resultado foi muito bom e recomendo para todos. O serviço é para ser uma entrada acompanhada de salada verde.

INGREDIENTES:
  • 150gr de farinha de trigo
  • 75gr de manteiga gelada (não dura)
  • 1 colher de creme de leite
  • 1 ovo
  • 1 pitada de sal e de fermento

No processador, bata a farinha com a manteiga,  o sal e o fermento até o ponto de uma farofa.
Junte o creme de leite misturado com o ovo e bata novamente até obter uma massa homogênea e solta - se a massa ficar muito mole, colocar mais farinha. Descanse por 30 minutos na geladeira dentro de um saco plástico ou no papel filme.

Forre o fundo e a lateral de uma forma desmontável pequena (cuide para que a massa fique bem fina).
Em forno pré-aquecido leve para assar por 5 minutos. Reserve.

Obs: O objetivo de assar a massa antes é para que o recheio não deixe a massa mole e desmonte o quiche.

PARA O RECHEIO:
  • 2 caixas de creme de leite
  • 5 ovos
  • 300gr de queijo brie picados em cubinho
  • 150gr de damasco picados em cubinho
  • Geleia de Damasco
  • Parmesão Ralado
  • Sal, pimenta do reino, noz moscada

Pincele o fundo da massa com a geleia de damasco e distribua os damascos uniformemente.
Misture os ovos, o creme de leite, sal, pimenta, noz moscada e o queijo em um recipiente, depois de ter uma unidade espalhe sobre os damascos até o limite da massa, deixando um pequeno espaço para não transbordar.
Depois de pronto, cubra a massa com queijo parmesão ralado (de preferencia ralado na hora tipo faixa azul) certifique que a massa esteja toda coberta de queijo.
Leve ao forno pré-aquecido a 180º por 40 minutos ou até que esteja bem dourado e firme.

Obs: O tempo no forno é para que o damasco derreta e forme uma pasta, assim não terá a textura duro do damasco.

Corte em fatias e sirva com salada verde, o tempero deve ser somente com Crema di Aceto Balsâmico.

quinta-feira, 2 de setembro de 2010

NIRÁ REFOGADO COM CAMARÃO


Nesse final de semana fui fazer compras na ceasinha (um mercado local aqui de Salvador), sempre compro com o mesmo fornecedor de verduras, sendo que dessa vez ele tirou da geladeira um nirá maravilhoso que estava escondido para clientes especiais! Adoro isso!!!! Amo nirá só que nunca tinha preparado. Essa minha primeira tentativa foi um fracasso@!
Quando fui para a cozinha já eram mais de 23:30h, com a fome que estava coloquei todos os ingredientes de vez e fui ver no que dava. Ficou lindo, só que muito salgado pelo shoyu.
Agora vou divulgar a receita certa que vai dar o mesmo resultado visual com um sabor bem mais apurado.

Ingredientes

* 150 g de nirá

* 1 colher de sopa de azeite extra virgem
* 1 dente de alho
* 1 pedaço de gengibre ralado (a gosto)
* 1 colher de sopa de molho de soja (shoyu)

Modo de preparo

Descarte a base (parte dura) do nirá e corte-o em quatro partes. Em uma frigideira esquente o azeite com o alho, gengibre, refogue o nirá por aproximadamente três minutos ou até que fiquem macios, mas ainda crocantes, em seguida adicione o acompanhamento. No último minuto o molho de soja. (esse pode ser a gosto, depende do paladar de cada um)

O acompanhamento pode ser camarão ou lula, que devem ser preparados e temperado separadamente. Para o camarão grelhar ou fritar bem seco para ter textura, para lula a mesma coisa. Tendo cuidado para não ficarem duros.

Bom apetite...

quinta-feira, 13 de maio de 2010

ACESSIBILIDADE

Podemos colocar a ACESSIBILIDADE como um dos pontos polêmicos que mais foi abordado esse ano. Inicialmente trabalhado pela Rede Globo na novela das 8, "Viver a Vida". Como a mídia é sempre observada, varias empresas, aproveitando a visibilidade desenvolveram ações direcionadas para esse publico.


Como espectador, acho fantástico o poder que a mídia tem de sensibilizar as empresas e as pessoas em prol de um assunto que até então andava sendo trabalhado de forma marginal. Apesar de achar que essa sensibilização e esses investimentos deveriam ter acontecido antes mesmo da mídia, não só por uma causa social, mas sim humanitária. Só que, como nem tudo são flores, temos que esperar que as oportunidades sejam dadas.


Saindo do ponto de vista de espectador e passando a adotar uma visão de empresário, queria poder apostar muito mais no investimento e na contratação de PNEs, que, como nem todos sabem, é a sigla para os Portadores de Necessidades Especiais. Só que antes mesmo de querer contratar por vontade e filosofia, sou obrigado a contratar por uma questão legal - isso mesmo, a lei obriga que as empresas tenham em seu quadro de colaboradores um percentual de PNEs. Acho essa iniciativa do governo muito bem desenvolvida, e falando no trabalho da DRT (Delegacia do Trabalho) a fiscalização é intensa e freqüente, sempre de uma forma educada e no intuito de sensibilização e convencimento.


Agora vamos unir os pontos como um soma matemática de fatores positivos:


Mídia + Vontade do Empresário + Lei de Contratação + Fiscalização = (o que deveria estar escrito aqui?)


A palavra que deveria estar como resultado dessa soma, na minha visão, é a palavra "Sucesso"! Mas estamos longe de chegar nesse resultado. Isso mesmo, o sucesso está tão longe, que está mais próximo de um problema do que de uma realização social propriamente dita.


Perguntas:


Agora o que faz com que essa soma de pontos positivos torne que a vida do PNE igual á dos outros? Ou que incentive os empresários a contratar como deveriam? Ou que torne o custo com fiscalização pelo DRT menor e mais eficiente?


Essa resposta está com os políticos e governantes, e por uma questão de comprometimento nunca são respondidas.


Essa é a problemática da grande maioria dos projetos sociais lançados, quando não são bem desenvolvidos, ou é simplesmente são criados para resolver uma questão de interesses políticos e não sociais.


Gostaria muito de entender por que a lei existe para os empresários e não existe para os governantes. Como desenvolvem uma lei, incentivam um programa e não fornecem a infraestrutura necessária, mesmo que básica, para que seja viável? Como obrigam a um empresário a contratar e não fornecem ao PNE um meio de locomoção digno, uma acessibilidade mínima que seja? Como um cadeirante vai andar em uma cidade como Lauro de Freitas se não existe sequer calçada? Como uma pessoa com deficiência visual vai andar em uma rua como a Manoel Dias se não existe um caminho determinado para ele e sinaleiras com os devidos equipamentos? A última tentativa da Prefeitura de Salvador de instalar um guia para os deficientes visuais (que é obrigação dos governantes) tinha um poste de energia elétrica no meio da via, quem se lembra disso? Como se faz e executa um projeto como esse? Não estou falando somente de Salvador, mas de vários outros estados e cidades, uma delas é São Paulo - os guias para deficientes visuais só foram instalados há pouco tempo na Avenida Paulista, logo na avenida mais rica do país com o maior pólo financeiro.


Fica aqui uma reclamação com tom de indignação para aqueles que desenvolvem as leis, digo: estudem todos os pontos e criem ferramentas de medição, um cronograma com um planejamento de aplicabilidade, divulguem os resultados e fiscalizem os estados e municípios com a mesma rigidez que fiscalizam os empresários.


Forneçam para os PNEs centros de reciclagem e aprendizado contínuo, já que as escolas não fazem esse papel como deveriam, instruam, treinem, disponibilizem no mercado profissionais mais capacitados, já que não temos uma quantidade satisfatória de cursos direcionados. Vocês não sabem a nossa dificuldade de encontrar no mercado pessoas com o mínimo de conhecimento.


Um desabafo!




sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

REDE SOCIAL


Recebi um vídeo muito legal via o Twitter falando do crescimento das redes sociais, http://www.youtube.com/watch?v=sIFYPQjYhv8. Olhei os números, fui fazer uma pesquisa e fiquei impressionado com o volume de informações e dinheiro que giram nisso.

Me lembro bem de um boom de valorização da Internet que teve em 2000 logo quando foi lançado o Terra e o IG aqui no Brasil. Só que depois da crise da NASDAQ, todos os portais, provedores e empresas de internet perderam muito valor, com isso o mercado deu uma grande retraída nesse tipo de investimento.

Depois disso o mercado vem se reestruturando e já faz um tempo que esses valores virtuais estão se materializando e gerando valor real. Um tipo de negocio que existe pela aplicação do conhecimento ou simplesmente a realização de uma suposta ideia qual tem um expressivo retorno financeiro. Se o negocio der certo, com um pequeno investimento inicial o valor estimado do negocio pode ser de mais de 2 bilhões de U$$ como é o caso do Facebook. fantástico! Onde esta a ideia? Eu quero uma também!!!

Sou um adepto a utilização das redes sociais, e a cada dia que passa tenho utilizado na tentativa gerar relações comerciais e promoções. Pesquisem, vale a pena conhecer sobre esse mundo e descubram que com um baixo investimento e um bom planejamento o resultado pode ser surpreendente. Grandes corporações, empresas de varejo e construtoras já estão contratando gestores de redes sociais, um cargo que a pouco tempo era inexistente nas empresas de recursos humanos. Isso é um sinal que o cuidado e o retorno nesse seguimento esta a cada dia mais evidente.


ilustração: http://marcelo-barros.blogspot.com/

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

TENDÊNCIAS E O DESIGN DE PRODUTOS

No mundo consumista na grande maioria das vezes quando vamos comprar alguma coisa a primeira pergunta que fazemos é: Está na moda?
Essa é uma pergunta muito curiosa, porque a moda muda e com ela a tendência do design muda em uma velocidade absurda. Uma determinada época o que é retrô passa a ser cafona e o moderno passa a ser tendência, já em outro momento o cenário se inverte e as coisas mudam de uma forma radical. E o que fazemos com as coisas que ficaram cafonas? Jogamos fora, lógico! Só que depois de um tempo quando essa antiga moda volta saímos correndo para as lojas de antiguidades na tentativa de encontrar alguma coisa no estilo retrô para colocar em nossa sala, é moda!
Olhem o exemplo das calças boca de sino, em uma época passou a ser a maior moda, depois de um tempo a calça reta passou a ser a peça do momento. Quem não se lembra da antiga calça bag?


As tendências passaram a ser ditadas por formadores de opinião, uma outra coisa que chamou muito a minha atenção foi uma matéria que escutei na Band FM, onde uma menina de 3 anos esta ditando a tendência da moda, o nome dela é Suri! Sabe quem é Suri Cruise? Ela tem apenas 3 anos e esta sendo chamada de menina fashion, se você for fazer uma pesquisa sobre ela na Internet vai ficar espantando só com o resultado inicial de mais de 888.000 resultados para a pesquisa com o nome dela. alem de um blog só dela para falar das coisas que faz e gosta. Isso também já é exagero ao extremo.
Como formadores de opinião as empresas também estão criando tendências e apostando no design associado com a tecnologia para um grande incremento de vendas. Isso é muito bom para nós consumidores, porque passamos a ter produtos mais bem elaborados e com mais qualidade. Um exemplo desse é o novo lançamento da Apple, o IPad (http://www.apple.com/ipad/) que veio com a finalidade de criar uma demanda de mercado que ainda não estava bem definida, o único produto similar a ele disponível era o Kindle que mesmo assim não se desenvolveu. (http://www.Amazon.com/Kindle)
Outro grande fabricante que esta apostando muito no design de produto para concorrer no mercado é a Philco, (http://www.schultzeworks.com/philcopc/) com um design bem retrô o novo computador da Philco esta por vir e deve atender os amantes da velha guarda.

Links:
http://www.schultzeworks.com/philcopc/
http://www.amazon.com/dp/B0015T963C/?tag=gocous-20&hvadid=4139277557&ref=pd_sl_19p23ezdd6_e
http://www.apple.com/ipad/
http://www.google.com.br/search?hl=pt-BR&client=firefox-a&rls=org.mozilla%3Aen-US%3Aofficial&q=%22Suri+Cruise%22&btnG=Pesquisar&meta=&aq=f&oq=


terça-feira, 26 de janeiro de 2010

PROJETO CULTURAL X PROJETO SOCIAL


É muito comum você escutar por ai que "Fulano" desenvolve um projeto social muito legal ou que "Beltrano" esta tentando viabilizar um projeto cultural fantástico! No nosso estado atual qualquer ajuda que possa levar um pouco de alegria para os mais carentes e sem acesso a facilidades é muito importante.
Outra coisa que as vezes escutamos e que nos deixam mais confusos é: Um projeto social que é desenvolvido por ações culturais. Acho que agora ficou mais complicado ainda para entender de uma forma clara o que é um e o que é o outro: Cultural ou Social?
Como forma de desenvolver valor para suas marcas, muitas organizações estão colocando no seu Core Business os seguintes vetores: Responsabilidade, Sustentabilidade e Ações Sociais, sendo que algumas empresas ainda não possuem diretrizes bem entendidas sobre esses assuntos ou projetos com resultados comprovado. O controle e a informação correta é uma coisa muito difícil de se encontrar de forma organizada em projetos desse tipo.
Mais voltando para o entendimento da diferença entre os dois tipos de projetos podemos dizer que quando falamos de um projeto Social ele não é simplesmente criado por uma força de vontade de uma organização com uma empresa, uma ONG ou outra coisa. Para ser ter um Projeto Social precisa necessariamente de se ter uma necessidade em uma determinada comunidade, é pela carência percebida que se cria uma Projeto Social. Sendo que essa carência precisa ser identificada de forma muito clara e precisa alem de tudo ter um objetivo, é nesse ponto que as coisas se complicam, porque esse objetivo precisa ser medido e monitorado, para isso as metas precisam ser definidas e as etapas até se chegar nessa meta também, tudo isso muito bem monitorado e definido por um planejamento estratégico. Por isso um Projeto Social passa muito alem de dar uma aula de informática para uma determinada comunidade e sim por ter a necessidade de saber qual a população dessa comunidade e dessa população qual a faixa etária e quantos precisam ser ensinados e com qual nível de aprendizado para que se faça realmente a diferença.